23 de julho, ainda

na madrugada fria
de uma rua ordinária
a cidade já dormia

inferno de metralha
estrondo que fazia
surda Candelária

vinte anos passaria
da canalha mercenária
a matar por covardia

a criança involuntária
que seu filho poderia

pulsa a coronária
ao pé da escadaria
a mudança necessária

nem mais um dia
de farda funerária
chega de chacina!

Anúncios

0 Responses to “23 de julho, ainda”



  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s





%d blogueiros gostam disto: